Monitoramento de Ninhos

     Com as modificações nos ambientes naturais e a destruição do habitat de diversas aves, muitas delas procuram novos locais onde possam se reproduzir, inclusive em ambiente urbano. É importante saber quais aves estão se reproduzindo nas cidades, e em que época do ano, para poder entender um pouco mais o seu processo reprodutivo e suas adaptações para viver nas cidades.
Pica-pau-de-cabeça-amarela (Celeus flavescens) Imagens Juliana Nakayama Machado

Pica-pau-de-cabeça-amarela (Celeus flavescens) Imagens: Juliana Nakayama Machado

     Informações como número de filhotes por ninho, para cada uma das espécies, sobrevivência, período de incubação, e período em que os filhotes permanecem no ninho, são importantes dados de biologia
Sabia-branco (Turdus leucomela) Imagens: Juliana Lima

Sabia-branco (Turdus leucomela) Imagens: Juliana Lima

Além disso, localizar os ninhos é importante para o manejo do parque, evitando a poda, a jardinagem ou a fumigação com inseticidas em suas proximidades, durante a estação reprodutiva
Desde 2015 a equipe de ornitólogos do Museu Biológico e do Observatório de Aves fazem o monitoramento dos ninhos, entre os meses de agosto a março, que é quando as aves estão reproduzindo no parque.
Ninho de bem-te-vi (Pitangus sulphuratus) Imagens: Juliana Lima

Ninho de bem-te-vi (Pitangus sulphuratus) Imagens: Juliana Lima

A localização exata de cada ninho foi registrada, para elaborar um mapa facilitando o monitoramento e ainda contribuir para o manejo das áreas verdes, compartilhando estas informações com as equipes de jardinagem do instituto Butantan.
Mapa com os ninhos monitorados

Mapa com os ninhos monitorados

No primeiro ano de monitoramento foram encontrados 29 ninhos ativos pertencentes a dez espécies de aves, a maioria deles no mês de novembro. As principais espécies com ninhos são o sabiá-laranjeira (Turdus rufiventris), o sabiá-branco (Turdus leucomelas) e a corruíra (Troglodytes musculus). Além destas, mas em menor número, nidificam no parque e foram acompanhadas as seguintes espécies: corujinha-do-mato (Megascops choliba), rolinha-roxa (Columbina talpacoti), avoante (Zenaida auriculata), bem-te-vi (Pitangus sulphuratus), bacurau (Hydropsalis albicolis), sanhaço-cinzento (Tangara sayaca) e pula-pula (Basileuterus culicivorus)
Filhotes no ninho Imagens: Juliana Lima

Filhotes no ninho Imagens: Juliana Lima

Ovos e filhote no ninho Imagens: Juliana Lima

Ovos e filhote no ninho Imagens: Juliana Lima

Estas espécies são comuns em ambientes urbanos, e a área estudada é bastante importante para a manutenção de suas populações.

Grafico - Numero de ovos