Monitoramento de Longo Prazo

     O monitoramento das aves do Parque do Instituto Butantan é feito através do censo em censo em transectos com raio ilimitado, censo por pontos com raio fixo e anilhamento através de captura com auxílio de redes-de-neblina.
     Queremos saber quais espécies de aves existem na área do Butantan, e como suas populações variam ao longo do ano e entre vários anos.
     Parte das atividades de coleta de dados poderão ser acompanhadas pelo público visitante do Instituto Butantan dentro do conceito de “ciência cidadã” e com o objetivo de despertar nas pessoas o interesse pelas aves e sua conservação.
     Para o censo por pontos, dividimos a área do Parque do Instituto Butantan em quadrículas numeradas de 100 x 100 metros, formando unidades amostrais que têm como centro o ponto de censo. Para a amostragem, um pesquisador fica durante cinco minutos no ponto, contando, identificando e anotando todas as aves observadas ou escutadas. A cada mês todas as quadrículas são amostradas.
Pesquisador Luciano Lima realizando anilhamento

Pesquisador Luciano Lima realizando anilhamento

     Os censos por transectos ou linhas de amostragem são feitos com a colaboração do público visitante que participa do #vempassarinhar. Uma vez por mês, durante a caminhada aberta ao público, todas as aves observadas ao longo do trajeto são contadas e anotadas. Após a caminhada, elaboramos com a ajuda de todos uma lista coletiva enviada para uma plataforma colaborativa, o eBird, dentro do conceito ciência-cidadã. O monitoramento atende assim a dois objetivos, aumentar o cohecimento sobre as aves do Parque e envolver o público na coleta de dados científicos.
     O anilhamento das aves é feito com sua captura em redes-de-neblina, em duas áreas diferentes do parque, uma delas sendo o Horto Oswaldo Cruz. Cinco redes são montadas durante duas manhãs por mês, um mês em cada uma das duas áreas. Todas as aves capturadas recebem anilhas de alumínio fornecidas pelo CEMAVE. São coletados dados de medidas e biológicos de cada ave, incluindo peso, determinação de sexo e idade, avaliação de muda e condição reprodutiva, e amostras para análise da presença de virus e bactérias. Em seguida e o mais rapidamente possível as aves são liberadas próximo ao seus locais de captura.
Espécime já anilhado pronto para ser solto

Espécime já anilhado pronto para ser solto

     As informações reunidas com estes três métodos empregados são um conjunto de dados importantes sobre a fauna urbana de aves que utilizam o parque, além de servir de base para a produção de materiais de divulgação e educativos para o público visitante do Instituto, incentivando assim um maior contato dos visitantes com a natureza.