Orquídeas

     Quando pensamos em orquídeas, vêm à mente imagens de flores coloridas e exuberantes, em vasos de lojas sofisticadas, ou presas ao tronco de árvores nas áreas nobres da cidade. Mas poucos imaginam que o habitat natural de muitas dessas plantas foi um dia as margens do Rio Pinheiros, ou a floresta que recobria todo o Pico do Jaraguá.

Orquídeas fotografadas fora de seus habitats naturais – Imagens: Yasmin Vidal Hirao

Frederico Carlos Hoehne. Foto do Arquivos de Botânica do Estado de S. Paulo.

Frederico Carlos Hoehne. Foto do Arquivos de Botânica do Estado de S. Paulo.

     Desde o início do século XX, Frederico Carlos Hoehne, um importante botânico que atuou no Estado de São Paulo, levantava a questão da preservação dos ambientes naturais onde podiam ser encontradas as orquídeas nativas. Em 1917, enquanto atuava como diretor da Seção de Botânica no Instituto Butantan e chefiava o recém-criado Horto Oswaldo Cruz dentro do Instituto, Hoehne já dedicava parte da sua pesquisa ao estudo e cultivo das orquídeas que encontrava em expedições pelo país. Orquidófilo desde a infância, ele criou o primeiro orquidário público do estado, localizado até hoje no Jardim Botânico de São Paulo, e publicou o livro mais importante sobre o assunto no país, a Iconografia de Orchidaceas do Brasil.
Primeira página da obra Iconografia de Orchidaceas do Brasil (Hoehne, 1949) - Imagem: Yasmin Vidal Hirao

Primeira página da obra Iconografia de Orchidaceas do Brasil (Hoehne, 1949) – Imagem: Yasmin Vidal Hirao

Exemplar de Iconografia de Orchidaceas do Brasil (Hoehne, 1949) - Imagem: Yasmin Vidal Hirao

Exemplar de Iconografia de Orchidaceas do Brasil (Hoehne, 1949) – Imagem: Yasmin Vidal Hirao

 

 

     O projeto que está sendo desenvolvido com orquídeas no Instituto pretende reproduzir e introduzir no Horto Oswaldo Cruz algumas das espécies mais icônicas estudadas por Hoehne, em comemoração aos 100 anos da criação do Horto.
Coleta de orquídeas terrestres dentro do Instituto Butantan – Imagem: Bruno Cardoso do Amaral

Coleta de orquídeas terrestres dentro do Instituto Butantan – Imagem: Bruno Cardoso do Amaral

     A reprodução das orquídeas a partir de suas sementes será feita em laboratório, utilizando a técnica in vitro, que garante a germinação bem-sucedida das plantas e um crescimento saudável para que elas possam ser introduzidas em ambiente natural. No cultivo in vitro, as sementes são semeadas em potes contendo meio de cultura: uma solução rica em compostos importantes para o desenvolvimento da planta.
     Um dos objetivos dessa parte do trabalho é testar a germinação das orquídeas em meios de cultura elaborados com sais inorgânicos vencidos. Essa prática confere a esses compostos um destino de uso mais sustentável do que sua reciclagem química, ou mesmo incineração.
Sais inorgânicos que serão utilizados nos experimentos de germinação – Imagem: Yasmin Vidal Hirao

Sais inorgânicos que serão utilizados nos experimentos de germinação – Imagem: Yasmin Vidal Hirao